Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

"Estas & outras Cumplicidades"

"Estas & outras Cumplicidades"

Línfomania - Vais aqui e ali, e não vais a lado a nenhum

16.04.24, cumplicedotempo

002.png

Ora vamos lá então, entre as várias opções na mesa, médico/a de família (centro de saúde), hospital ou médico/a particular, optei por uma médica do hospital de São João que há muitos anos me acompanha nestas coisas de saúde, e desde aí passou a ser minha médica, e a qual sempre recorri quando assim precisava “A minha doutora R.”, tem bata, não é super-herói, mas podia bem ser, como muitas pessoas com quem me tenho cruzado por esta aventura, voluntários, auxiliares, enfermeiros e por ai fora, tanta boa gente e a gente nem dá por isso.

Não esquecer que nesta fase, nem sequer se pensa ainda em linfoma, ou seja lá o que for, estamos na fase ainda do “O que será esta coisa?”, a dita cuja como lhe chamo, ainda vestia uma vestes bem rosáceas, parecia inofensiva, não dava comichão e se lhe tocasse não havia qualquer tipo de dor ou desconforto, e pronto, até certa altura, porque eu lá continuava a minha vida normal pensei, que teria sido uma qualquer dádiva, para me segurar a alça da mochila no ombro direito e ela não escorregar, como sempre me acontece, tal já era o tamanho da dita cuja.

Chegado ao dia marcado para a consulta; ver, analisar, tirar fotografias (esta dita cuja é ou foi top model, tanta fotografia lhe quiseram tirar ao longo deste processo), exclamações tipo “nunca vi semelhante coisa, mas não doi? não dá comichões?” e como disse em cima, tudo respostas negativas, apalpar aqui e apalpar ali, mandar fotos, ligar para médicos e dermatologistas, e marcar então uma consulta “normal” para a especialidade.

E é aqui que vem a parte séria, o diagnostico precoce, e este exemplo serve para este ou qualquer outro problema, todo o processo que se segue após o primeiro diagnostico pode ser bem moroso, e nem falo na questão das esperas intermináveis por consultas de especialidade, falo em tudo o que de aí advém, mesmo aquando de casos urgentes como irão ler mais adiante.

Temos que contar com o tempo de espera da consulta marcada, a espera para fazer os exames, a espera pelos resultados, a espera pela próxima consulta para tomar decisões, nada se irá fazer de um dia para outro, muito menos com doenças tão silenciosas quanto essas, e por isso mais depressa temos atenção as mesmas, elas começam a ser vigiadas e nós devidamente encaminhados.

Porque acreditem, muitas vezes vamos aqui e ali e não vamos a lado nenhum, e essa é a parte mais chata da coisa, "a espera", e eu ainda nem sabia e nem vocês sabem, nestas situações, o que está para vir…

Cenas dos próximos capítulos: “Alto aí e para o baile, soaram os alarmes”

21 comentários

Comentar post